Ontem (03), a ADUNEMAT marcou presença em duas agendas de grande importância para o entendimento da atual situação do estado de Mato Grosso e os enfretamentos que ainda estão por vir para a categoria da educação pública.

Através da Prof.ª Thiélide Pavanelli Troian (atual Secretária Geral da ADUNEMAT), o sindicato integrou uma reunião às 10h30, no Auditório da SEPLAG, ao lado dos demais representantes das categorias de servidores públicos do estado de Mato Grosso. Na ocasião, membros da Secretaria de Estado de Planejamento e Gestão (SEPLAG-MT) se manifestaram com o intuito de apresentar os cálculos relativos à correção dos salários que foram pagos de forma escalonada aos trabalhadores no período de agosto de 2017 a outubro de 2019.

As informações são referentes a dois pareceres: 240 e 747/2020. O Fórum Sindical aproveitou para cobrar uma posição mais clara sobre o Reajuste Anual Geral (RGA), que segue atrasado e sem qualquer tipo de estimativa para algumas categorias de servidores. Entretanto, houve recusa pela SEPLAG ao alegar que o tópico não estava incluso na pauta. O Fórum Sindical ainda insistiu, pedindo para que fosse agendada uma reunião com o Secretário da SEPLAG, Mauro Carvalho (Casa Civil) e Rogério Gallo (Fazenda) para obter um posicionamento mais claro e efetivo do Governo.

A segunda reunião atendida pela ADUNEMAT foi ao lado do Deputado Estadual Lúdio Cabral, na Assembleia Legislativa do Estado de Mato Grosso, onde foi discutido o orçamento da UNEMAT para 2021 e realizada a solicitação de uma emenda parlamentar restabelecendo os valores nominais do orçamento da UNEMAT – correspondentes aos 2,5% da receita corrente líquida do Estado. O deputado afirmou que irá sim propor e que está aguardando mais informações da reitoria da UNEMAT.

“Estamos atentos que a arrecadação do Estado aumentou este ano, e por esta razão não podemos deixar que o orçamento da universidade para o próximo ano continue prejudicado”, afirmou a Prof.ª Thiélide. “É por isso que estamos solicitando uma emenda parlamentar para complementar o orçamento da UNEMAT”. A professora ainda reforçou a necessidade de uma união entre acadêmicos, políticos e comunidade: “é preciso que todos, inclusive os deputados, entendam que o corte no orçamento fere a autonomia da universidade e coloca em risco todo o seu funcionamento”.