O dia 7 de setembro será mais uma vez marcado como um dia de luta para os trabalhadores e trabalhadoras do nosso país. A 25ª edição do Grito dos Excluídos, que mobiliza o país no feriado que oficialmente, é chamado Dia da Pátria ou Dia da Independência, está marcado para acontecer em todos os Estados do Brasil e já conta com a adesão de estudantes, professores, trabalhadores,  movimentos sociais e sindicais.

Este ano, milhares de pessoas vão às ruas, para denunciar o caos em que o Brasil se encontra: desemprego, estagnação econômica, crimes ambientais, desmontes, retrocesso, cortes e contingenciamentos absurdos na educação pública, além da nefasta proposta da Reforma da Previdência (PEC 06/2019).

O Grito dos Excluídos, realizado desde 1995, representa o enfrentamento e a resistência do povo brasileiro. É marcado por manifestações que ocorrem durante a Semana da Pátria, no país inteiro, culminando em grandes atos no feriado de 7 de setembro. O objetivo é denunciar a exclusão de determinados grupos da sociedade e propor caminhos para a inclusão.

Com o tema “Esse sistema não vale: lutamos por justiça, direitos e liberdade”, a data terá como foco de protesto neste 2019, o desgoverno de Jair Bolsonaro, que retira direitos e liberdades conquistadas.

ADUNEMAT NA LUTA

A Associação dos Docentes da Unemat (ADUNEMAT) aprovou, durante Assembleia Geral dos docentes da Unemat, realizada nos dias 03, 04 e 05 de setembro, a adesão ao Grito dos Excluídos, por meio de suas subseções. O Sindicato, que historicamente soma à luta, deliberou pela adesão do Grito dos Excluídos.

Para a Associação, em um cenário político que busca privatizar as estatais, ataca a previdência pública e solidária, ataca os direitos trabalhistas e dá carta branca para o desmatamento da Amazônia, o 25º Grito dos Excluídos se faz necessário. É mais um dia de luta para os que lutam quotidianamente em defesa dos nossos direitos. A luta pela liberdade, pela justiça, em defesa do meio ambiente, da soberania nacional e, sobretudo, da democracia.

Ainda durante a Assembleia, a Associação dos Docentes da Unemat deliberou pela autonomia de cada subseção na adesão ao dia de luta, dando liberdade para cada campus propor e efetivar atividades públicas em defesa da justiça, direitos e liberdade.

Em Nova Xavantina, uma grande intervenção dentro do desfile cívico municipal está sendo preparada pelos docentes, alunos, trabalhadores e trabalhadoras. Segundo a professora e representante da Adunemat subseção de Nova Xavantina, Ariane, estão sendo preparados cartazes em defesa da educação pública. Na cidade a intervenção será realizada com os manifestantes usando a cor preta.

Em Juara, a deliberação da subseção foi pela  intervenção e conscientização da luta durante a 14ª edição do SEVA- Seminário de Educação do Vale do Arinos. O Seminário, que teve como tema o diálogo sobre a educação popular, a democracia e autonomia dos que fazem a educação no chão da escola da universidade, foi parceiro da Adunemat na defesa dos serviços públicos. Na faixa fixada pelo Sindicato a mensagem era clara: “ Este sistema não vale”. A faixa propôs a negação ao sistema excludente, que retira o direito à educação, saúde e segurança.

Outras subseções também aderem ao Grito dos Excluídos, como o caso de Cáceres, onde uma nota pública foi preparada para a conscientização da importância da luta neste dia 7 de setembro.

SOBRE O GRITO

A primeira atividade do Grito dos Excluídos ocorreu em 1995, resultado da Segunda Semana Social Brasileira, promovida pela Pastoral Social da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB), em 1994.

Confira, abaixo, os lemas de cada ano:

1995: A Vida em primeiro lugar
1996: Trabalho e Terra para viver
1997: Queremos justiça e dignidade
1998: Aqui é o meu país
1999: Brasil: um filho teu não foge à luta
2000: Progresso e Vida Pátria sem Dívida$
2001: Por amor a essa Pátria Brasil
2002: Soberania não se negocia
2003: Tirem as mãos…Brasil é nosso chão
2004: Brasil: Mudança pra valer, o povo faz acontecer
2005: Brasil em nossas mãos a mudança
2006: Brasil: na força da indignação, sementes de transformação
2007: Isto não Vale: Queremos Participação no Destino da Nação
2008: Direitos e Participação Popular
2009: A força da transformação está na organização popular
2010: Onde estão nossos Direitos? Vamos às ruas para construir o projeto popular
2011: Pela vida grita a TERRA… Por direitos, todos nós!
2012: Queremos um Estado a Serviço da Nação, que garanta direitos a toda população
2013: Juventude que ousa lutar constrói o projeto popular
2014: Ocupar ruas e praças por liberdade e direitos
2015: Que país é este, que mata gente, que a mídia mente e nos consome?
2016: Este sistema é insuportável. Exclui, degrada, mata!
2017: Por direitos e democracia, a luta é todo dia
2018: Desigualdade gera violência: Basta de Privilégios