Há 98 anos, nascia Paulo Freire, o Patrono da Educação Brasileira. Educador e filósofo, é um dos grandes nomes da educação mundial. Nesta data, a Associação dos Docentes da Unemat (ADUNEMAT), presta uma homenagem a este educador, reconhecido como o brasileiro mais laureado da história, com pelo menos 35 títulos de Doutor Honoris Causa em universidades da Europa e das Américas.

Homenagear Paulo Freire na atual conjuntura vai além de lembrar e celebrar a sua importância para a educação mundial. Homenagear Paulo Freire torna-se um ato de resistência, uma forma de dar continuidade ao seu legado, reinventando-o, buscando seus ideais de emancipação, cidadania e justiça social, principalmente por conta do cenário catastrófico em que o Brasil se encontra, principalmente na educação: cortes e contingenciamentos, cerceamento da liberdade de expressão e da autonomia universitária, perseguição a professores e professoras, censura de materiais didáticos, intervenções do governo federal na indicação de reitores, sem contar no mais novo ataque ao ensino superior, o Programa do Ministério da Educação,  Future-se.

Desde a ascensão da extrema-direita reacionária no país, Paulo Freire e sua obra têm sido alvo constante de críticas, principalmente pelo fato de Freire defender a educação como instrumento fundamental para a libertação de trabalhadores e trabalhadoras. Sua teoria confronta e ameaça o modelo de sociedade acrítica, oprimida e conservadora pretendido pelo atual governo. 

É importante frisar que, durante o 64º Conad no qual a ADUNEMAT esteve presente com professores representantes, os docentes reafirmaram Paulo Freire como Patrono da Educação Brasileira. 

Paulo Freire continua vivo em nossas memórias. Seus ensinamentos continuam presentes, norteando a atuação de mestres comprometidos com a educação transformadora e libertadora no nosso país e no mundo.  É preciso lembrar e celebrar Paulo Freire como uma forma de enfrentamento à conjuntura de ataques imposta. 

 

Sobre Paulo Freire

Considerado um dos principais pensadores da história da pedagogia mundial, influenciou o movimento chamado pedagogia crítica. Sua prática didática fundamentava-se na crença de que o estudante assimilaria o objeto de análise fazendo ele próprio o caminho, e não seguindo um já previamente construído. Freire compreendia que o sujeito aprende para se humanizar. O seu trabalho de alfabetização de adultos é reconhecido mundialmente. Entre as inúmeras obras publicadas está a trilogia: “Pedagogia do Oprimido”, “Pedagogia da Esperança”, “Pedagogia da autonomia”.

Paulo Freire (1921-1997) nasceu em Recife (PE). Formou-se em direito, mas não seguiu carreira, encaminhando sua formação para o magistério. Em 1963, em Angicos (RN), chefiou um programa que alfabetizou 300 pessoas em um mês. Desejava, como diretor do Programa Nacional de Alfabetização do governo João Goulart, alfabetizar em quatro anos dezesseis milhões de adultos, sonho interrompido pela eclosão do golpe civil-militar de 1964. Freire passou 70 dias na prisão antes de se exilar. Em 1968, no Chile, escreveu seu livro mais conhecido, Pedagogia do Oprimido. Com a anistia, em 1979, voltou ao Brasil, integrando-se à vida universitária. Filiou-se ao Partido dos Trabalhadores e, entre 1989 e 1991, foi secretário municipal de Educação de São Paulo. Freire foi casado duas vezes e teve cinco filhos. Foi secretário municipal de Educação de São Paulo (SP), na prefeitura de Luiza Erundina.  Morreu em 1997, de infarto. Em 2012, foi sancionada a Lei 12.612 que declara o educador Paulo Freire o Patrono da Educação Brasileira.

No total, ele recebeu homenagens em pelo menos 35 universidades, entre brasileiras e estrangeiras, como a Universidade de Genebra, a Universidade de Bolonha, a Universidade de Estocolmo, a Universidade de Massachusetts, a Universidade de Illinois e a Universidade de Lisboa. Em 1986, Freire recebeu o Prêmio Educação para a Paz, concedido pela Unesco, a Organização das Nações Unidas para a Educação, Ciências e Cultura.É o mais célebre educador brasileiro, com atuação e reconhecimento internacionais: é o terceiro pensador mais citado do mundo em universidades da área de humanas. 

 

Paulo Freire na Revista Universidade e Sociedade

Para comemorar o dia 19 de setembro como o dia do educador social, leia entrevista completa  que Paulo Freire concedeu, em abril de 1990, para a primeira edição da Revista Universidade & Sociedade:

*Com informações do Instituto Paulo Freire,  ANDES-SN e CNTE.

Entrevista Paulo Freire - Revista Universidade e Sociedade nº 1