Ampliar as mobilizações contra Bolsonaro genocida

 As mobilizações que aconteceram em todo o Brasil no dia 29 de maio mostraram que o único caminho para barrar os ataques de Bolsonaro aos direitos do povo trabalhador é ocupar as ruas e levantar as reivindicações mais urgentes.

Está claro, há disposição e o povo quer lutar e resistir para preservar a vida, o emprego e seus direitos básicos. Esse foi o recado das manifestações que ocorreram em mais de 200 cidades do país.

Após mais de 470 mil mortos pela pandemia e vacina a conta gotas, 15 milhões de desempregados e 35 milhões de subempregados, a fome rondando a casa de mais de 100 milhões de brasileiros,  disparada nos preços da cesta básica e dos combustíveis, privatizações, cortes profundos no orçamento das universidades e institutos federais, nos recursos da pesquisa e da pós graduação, além de ataques à democracia e à autonomia das universidades, cada dia a mais com o governo Bolsonaro significa mais sofrimento para o povo.

Sofrimento que Bolsonaro quer ampliar destruindo os serviços públicos com a Reforma Administrativa (PEC 32), que, se aprovada, será uma pá de cal no SUS, na Educação Pública, na Assistência, tudo em benefício dos bancos e dos grandes empresários, cujos lucros não param de crescer em plena pandemia.

Por isso não temos tempo a perder; temos que ir pras ruas defender os direitos, os serviços púbicos, defender a Educação e a universidade, em conjunto com todos e todas, construindo a mais ampla unidade com sindicatos, movimentos, associações, partidos políticos, para a realizações de manifestações de rua, com atos e passeatas presenciais, tomando sempre o cuidado com o uso de máscaras e álcool gel, e mantendo o distanciamento.

No 19 de junho devemos levantar bem alto a bandeira da vacina para todos e todas, testagem em massa, auxílio de 600 reais enquanto durar a pandemia, congelamento da cesta básica e dos combustíveis, não à PECC 32 da Reforma Administrativa, não à privatização dos Correios e da Eletrobrás, entre outras reivindicações populares.

Ampliar as mobilizações é uma necessidade que decorre da impossibilidade de defender os direitos do povo trabalhador com a manutenção desse governo.

Por isso, neste 19 de junho devemos gritar bem alto nas ruas: Fora Bolsonaro genocida!

A Diretoria da ADUNEMAT – 10 de junho de 2021